REVOLTA: Empresário de Caçador chora em vídeo após decisões do Governo

“É no restaurante e no final de semana que se pega coronavírus e não nas festas clandestinas”, disse empresário do ramo alimentício

Quase um ano após a confirmação do primeiro caso de coronavírus em Caçador, o pesadelo ainda continua. As restrições, isolamento social e o temido lockdown voltam a ser opções do governo para conter o avanço da pandemia. E junto ao colapso da saúde, o colapso econômico já é uma realidade.
Depois de muitas empresas não terem sobrevivido ao período de fechamento no ano passado, as que conseguiram negociar dívidas e seguem lutando para se manter no mercado. O medo é não sobreviver a um novo lockdown.
Exemplo disso é o empresário Caçadorense Frank Alain. Dono do restaurante das Bochas, Frank passou o último ano desafiador se adequando as medidas necessárias. Com o avanço do vírus e a possibilidade de voltar a fechar o estabelecimento, Frank publicou um vídeo em suas redes socais, onde aparece com os olhos lacrimejando e demonstra sua indignação e revolta com as decisões do Governo.
“Entendo que os casos aumentaram, entendo que o povo não respeitou, mas quem vai se ‘ferrar’ mesmo são os restaurantes. Isso porque pessoas desrespeitosas não respeitaram as medidas de segurança, não usaram máscara, se aglomeraram, fizeram bailes e festas clandestinas. E isso é uma falha do Governo. Essas pessoas que colocamos no poder que deveriam estar nos cuidando, não estão fazendo isso. Eles deveriam ter fiscalizado, ter monitorado antes de explodir casos novamente”, disse Frank no vídeo.
Para os restaurantes, a principal mudança é com relação ao lockdown imposto pelo Governo de Santa Catarina aos finais de semana. No último final de semana, os estabelecimentos foram obrigados a fechar as portas, mesmo protocolo que deve ser repetido na próximo fim de semana. “Eu tinha comprado mercadoria na quinta-feira e na sexta o Governo decretou o lockdown. Um desrespeito. Na segunda já tinha que pagar as contas e em 15 dias já tenho boletos vencendo. E como vou pagar se não posso abrir no fim de semana? O fim de semana é onde mais conseguimos ter lucro pra pagar funcionário, manter o estabelecimento, pagar imposto. Tomaram essa decisão como se só em restaurantes e apenas no fim de semana se pegasse coronavírus”, destacou Frank no vídeo.
Além disso, os restaurantes também estão limitados a funcionar com limitação do horário: entre 6h às 23h59. A entrega de comida por delivery ou retirada em nos restaurantes segue autorizada. Segundo o texto do Decreto, a fiscalização das medidas fica a cargo das forças de segurança — Polícia Militar, Civil e o Corpo de Bombeiros.
A promoção de medidas mais restritivas por parte das prefeituras é autorizada pelo decreto, porém o município não tem autoridade para flexibilizar as medidas.

2 COMENTÁRIO(S)

  1. Tem de fechar TUDO OU NADA.... MEIA BOCA NAO ADIANTA. MEIA DUIZA DE COMERCIOS FECHADOS E OS DEMAIS ABERTOS. OS FECHADOS PQ. NAO TEM CNAE DE ALIMENTACAO SENAO PODERIA ABRIR NEM QUE POR DELIVERY. ENTAO.... MERCADOS E FARMACIAS ETC VIRAM SHOPING NOS LOCKDOWNS.

  2. A culpa não é do governo, é do próprio povo que não respeita nada ai chega uma hora que o governo tem que tomar atitudes para ajudar a conter tudo, Frank como empresario ta sofrendo, imagina o pobre pai de familia que perdeu o trabalho ou as empresas como uns comercios de cacador que não irei citar o nome do mercado mas neh, enche de gente e ficam cuidando qd a policia vai pra dai restringirem entrada de pessoal ou seja uma verdadeira zona isso. concordo totalmente com o Frank mas pow é complicado culpar o governo por algo que o proprio povo é responsavel.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caminhão é flagrado carregando toras de pinheiro ilegal em Lebon Régis
Gibiteca abre inscrições para Oficina de Desenhos na próxima segunda-feira, 19
Núcleo de RH da ACIC promove live sobre saúde mental neste sábado
Nova lei de trânsito entra em vigor na segunda (12); veja o que muda
Feira do Produtor Rural reaberta na Beira Rio
Empresa de Caçador é multada em mais de R$ 10 mil por crime ambiental
Gafanhotos gigantes intrigam moradores de Água Doce e região
Marido da vice-prefeita de Lebon Régis morre vítima da Covid-19
BRK Ambiental vai instalar novos equipamentos no bairro dos Municípios
Iniciada entrega de madeiras derrubadas na Taquara Verde durante Ciclone Bomba