Debates sobre Teatro e Cidadania no Sertão Catarinense

Mais de 200 pessoas participam de encontros virtuais para debater as obras do Teatro do Oprimido

No ano em que se comemora 100 anos do nascimento de Paulo Freire, criador da Pedagogia do Oprimido e 90 anos de Augusto Boal, criador da metodologia do Teatro do Oprimido, a região do Contestado em Santa Catarina, por meio da Lumiar Criações Artísticas e da Nuvem Cabocla Provocações Culturais, promove o curso Contestando as Opressões pela Tecnologia Social de Augusto Boal - Capacitação de multiplicadores da metodologia do Teatro do Oprimido.

O curso é desenvolvido por meio do Edital Estadual Elisabete Anderle de Incentivo à Cultura, com o apoio do Instituto Federal de Santa Catarina - Campus Caçador, Associação de Amigos do Museu Histórico e Antropológico da Região do Contestado e Ação Social do Contestado de Lebon Régis.



Mesmo durante a maior crise sanitária e hospitalar que o Brasil já enfrentou, mais de 200 pessoas participaram de 16 encontros virtuais para debater, estudar, trocar e mergulhar nas obras do Teatro do Oprimido, que foi teorizado por Augusto Boal, um dos teatrólogos mais importantes da América Latina. O projeto, pioneiro na discussão do tema na região Meio-Oeste de Santa Catarina, extrapolou as fronteiras regionais e recebeu inscrições de várias cidades de Santa Catarina, de outros nove estados brasileiros e de Portugal.

Os encontros (todos gratuitos e disponibilizados no canal do Youtube da Associação dos Amigos do Museu do Contestado) possibilitaram a troca de informações e conhecimentos entre estudantes do ensino médio, até pós-doutores e pesquisadores das mais diversas ciências. "Esse coletivo variado, enriqueceu diálogos, despertou pesquisas, orientou caminhos para ações concretas e continuadas no presente e no futuro", comenta Lu Paes, idealizadora do projeto.



Fizeram parte destes encontros nomes que são a base do Teatro do Oprimido - TO no mundo: Licko Turle, Cachalote Mattos, Maiara Carvalho, Eloanah Gentil, Fernando Leão e Julian Boal. Além dos debates sobre TO, um dos encontros foi sobre a região do Contestado, no sertão Catarinense, mediado pelo professor Nilson Cesar Fraga, da Universidade Estadual de Londrina.

Segundo Módulo

Com o agravamento da pandemia, o curso, que estava previsto de forma presencial na segunda etapa, continuará de maneira virtual, incluindo pesquisas práticas com os participantes. A primeira parte do segundo módulo será orientada pelo curinga do Centro de Teatro do Oprimido - CTO, Olivar Bendelak, que trabalhou por mais de 20 anos com Augusto Boal.

Além de Olivar, haverá a participação da Curinga Helen Sarapeck, do Rio de Janeiro, que trará experiências do TO na Educação e da Curinga Bárbara Santos, criadora do método Teatro das Oprimidas e que vive hoje em Berlim, na Alemanha, onde dirige o Kuringa, um centro de estudos e práticas do TO na Europa.

"A idéia, é a partir desse curso, criar ações concretas e continuadas aqui na região do Contestado e onde mais alcançar, fomentando a consciência de identidade local, a educação e a cultura popular, para que todos possam exercer o direito de acesso a esses bens tão necessários, numa região com profundas cicatrizes históricas e mazelas sociais", Finaliza Lu Paes.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Assistência Social recebe doação de 156 cestas básicas
OAB/SC entrega medalha Florisvaldo Diniz e homenageia jubilados em Caçador
Novo terminal rodoviário deverá entrar em funcionamento em 16 de agosto
Caçador amanhece com - 6°C
Equipe de trabalho finaliza análise para alterações na Lei do Serviço de Inspeção Municipal
Caçador: Pedido de isenção de IPTU 2021 encerra neste sábado
Débitos com o município podem ser parcelados em até 84 vezes
Gelo na pista causa acidente e mata policial militar em Santa Catarina
Amanhecer gelado e neve em várias cidades de SC
Maria Fumaça passa por inspeção para recuperação histórica