Combate à pandemia: Fiesc apresenta ações e resultados

Ações são desenvolvidas desde o início da pandemia há mais de um ano com a compra de medicamentos e aparelhos, além da criação do Protocolo Corona para as indústrias



Por: Alessandro Schneider

Desde o início da pandemia do novo coronavírus a Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc) por meio do Sesi, tem se apresentado como protagonista no combate à pandemia com ações e serviços que objetivam levar saúde e segurança para dentro das empresas. Ferramentas digitais estão sendo utilizadas auxiliando às indústrias no monitoramento dos sintomas, possibilitando a adoção de ações rápidas e seguras para conter a disseminação do vírus, protegendo colaboradores, familiares e a sociedade de uma forma geral.

Quem fala um pouco sobre todo este contexto é o diretor executivo do sistema Sesi/Senai/IEL da região Centro Norte, Daniel Tenconi, que apresentou todo um protocolo criado pela entidade para o monitoramento e enfrentamento a doença, o chamado Protocolo Corona. Além disso, ressaltou as ações feitas no início da pandemia com a aquisição de insumos e equipamentos para o Estado.



A Fiesc constituiu uma equipe multidisciplinar com seus profissionais da saúde, para ações articuladas de combate a pandemia. Este conceito foi batizado de Protocolo Corona, um conjunto de serviços com soluções integradas para a saúde da indústria. Essas soluções são divididas em 4 linhas de enfrentamento que estão detalhadas no domínio www.protocolocorona.com.br criado pela entidade para que todos tenham acesso e saibam como implantar os serviços na sua empresa ou instituição.
Foto – Daniel tenconi

Corona Dados

Neste conjunto de serviços do Protocolo, o primeiro é chamado de CoronaDados, sendo ele um sistema para monitoramento de sintomas em massa, e que já possui mais de 400 empresas cadastradas envolvendo Santa Catarina e ainda o Mato Grosso, que aderiu a plataforma. Com este aplicativo de celular, a empresa consegue monitorar o colaborador por meio de uma assistente virtual, denominada Cora, que todos os dias envia ao cidadão perguntas sobre o seu estado de saúde, e, com base nas respostas, a empresa observa quantos funcionários então com sintomas naquele dia, e se o risco desses sintomas relacionados à Covid-19 são baixos, médios ou altos, podendo assim realizar os encaminhamentos ou manter o monitoramento.

Em Caçador, segundo Tenconi, todos os alunos do Senai possuem o Corona Dados instalado em seus celulares, e só entram na aula presencial se apresentarem o QR Code comprovando que responderam as perguntas da Cora naquele dia e que estão aptos a participarem das aulas.

“Este aplicativo foi desenvolvido pela Fiesc e já funcionada desde o ano passado. É totalmente gratuito para todas as empresas, que terão apenas que realizar um trabalho de conscientização e sensibilização em seus funcionários, para que entendam a importância de responder as perguntas diariamente para o bem e saúde de todos”, ressalta.

Gestão Corona

O segundo serviço ofertado no Protocolo é o Gestão Corona, assessoria do Sesi que atua em duas frentes principais: Na avaliação das medidas e protocolos de biossegurança necessárias; E na adequação dessas regras para o ambiente de trabalho. “Nossos profissionais de saúde vão até a empresa e adequam os protocolos de segurança a normatização exigida pelos entes governamentais. Essa adequação dos protocolos, aliada ao monitoramento com a Cora possibilita ações práticas e efetivas, como por exemplo, o direcionamento dos trabalhadores para a realização do teste Covid no momento certo”, explica Tenconi.

TesteSesi

O testeSesi é uma solução criada para contribuir com as indústrias na retomada de suas produções em meio à pandemia do novo coronavírus, com o intuito de auxiliar o processo de triagem e diagnóstico da Covid-19 e está em consonância com as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), cujas principais orientações para combater o coronavírus são a testagem, o rastreio e isolamento do maior número possível de casos. Para especialistas, portanto, a realização dos testes em massa é a melhor estratégia para conter a transmissão do vírus.

Lean Corona

O quarto serviço ofertado no Protocolo é o Lean Corona, com atuação de engenheiros de produção do Sesi dentro das empresas que solicitarem, para promover uma consultoria que irá avaliar o processo produtivo durante a pandemia, pensando na produção e nos protocolos de segurança.
“Isso é fundamental, porque as indústrias não desejam perder produção mas também não podem perder colaboradores. O Lean Corona realiza esta gestão, de operacionalizar a empresa da melhor forma, verificando o distanciamento entre pessoas e máquinas, os protocolos de saúde, entre outros, garantindo a competitividade e sustentabilidade no mercado”, comenta Daniel Tenconi.
 
Protocolo Corona - Um aliado no combate a pandemia

O diretor executivo novamente reforça que todo este Protocolo Corona do sistema Fiesc foi desenvolvido e ofertado para as empresas catarinenses, e que a adesão em massa seria de grande importância para todos os setores, principalmente em se tratando do momento atual, onde o Brasil e Santa Catarina passam pelo pior estágio de contaminação e mortes por Covid-19.

“Tudo foi cuidadosamente montado para que possamos chegar ao maior número de empresas e seus colaboradores, auxiliando neste momento difícil, para cuidarmos da saúde do ser humano e do bom andamento da atividade industrial em todo o Estado. Quanto ao resultado destas ações, o que temos são os relatos das próprias empresas que aderiram ao protocolo e relatos dos nossos profissionais que estão atuando dentro destas empresas. Perante as fiscalizações que são executadas, as empresas estão conseguindo evidenciar todos os cuidados que estão tomando, com os protocolos individuais e coletivos, o monitoramento por meio do CoronaDados, o direcionamento de funcionários para testagens e demais suportes. Por conta disso, nós como Sesi, conseguimos evidenciar que estamos sendo efetivos com as fiscalizações e isso tem dado segurança às empresas, o que nos faz entender que estamos contribuindo para o enfrentamento da pandemia, na redução inclusive do número de casos dentro das empresas. É uma questão lógica, com o uso do protocolo conseguimos diagnosticar os sintomáticos com antecedência, promovendo o afastamento, direcionando para teste e, quando positivo, orientamos para o isolamento todos os contactantes daquela pessoa. Se negativo e assintomático pode voltar ao trabalho. Para nós este processo também contribui diretamente com sistema público de saúde de Caçador, pois desafoga o atendimento a quem é funcionário de empresa. Quanto mais empresas e entidades aderirem ao Protocolo Corona, mais possibilidade de termos um cenário controlado da pandemia na região”, define Tenconi.

Vacina da Gripe

O Sesi/Caçador também disponibiliza a vacinação contra a gripe H1N1 de segunda a sexta das 8h às 11h30mi e das 13h às 17h. Aos sábados das 8h às 12h. Atendimento com agendamento prévio pelo telefone /Whatsapp (49) 3561-1200.

A vacina contra a H1N1 não evita o contágio pelo novo coronavírus, mas reduz a circulação de mais um vírus, que poderia contribuir para sobrecarregar o sistema de saúde. A aplicação das vacinas ocorre em momento importante no enfrentamento da pandemia.

Indústrias catarinenses interessadas em vacinar seus colaboradores ainda podem aderir à campanha procurando o SESI mais próximo. Como o número de doses disponibilizadas pelo mercado este ano é restrito por conta da crise sanitária, a vacinação é realizada por ordem de solicitações.

As ações desde o início da pandemia

Tenconi lembra que desde o início da pandemia, a FIESC se envolveu diretamente no auxílio à população e ao governo de Santa Catarina, lembrando que uma das ações foi o conserto de cerca de 80 respiradores que estavam fora de operação. Uma força-tarefa montada no SENAI em Joinville, em parceria com indústrias, permitiu a recuperação dos equipamentos, que foram devolvidos à rede hospitalar.

Além disso, foi criado o Fundo Empresarial para Reação Articulada (FeraSC), que consiste na captação de recursos junto as grandes empresas catarinenses como forma de auxiliar o Governo do Estado da gestão da pandemia.

Com estes recursos, também foi possível, de acordo com Tenconi, efetivar a compra de testes PCR, protetores faciais (face shields), medicamentos para intubação, ventiladores pulmonares, oxímetros e câmaras frias para armazenamento de vacinas.

Palavra da Fiesc

Na Fiesc sempre dizemos que empresas de sucesso são constituídas de pessoas saudáveis e produtivas. Por isso a indústria pode contar com o SESI, que ajuda o empresário a cuidar de seus profissionais, com serviços de saúde, bem-estar e segurança no trabalho, inclusive no atendimento das normas regulamentadoras e na prevenção de acidentes de trabalho. Isso é bom para a empresa, que ganha competitividade; e bom para o trabalhador, que ganha qualidade de vida”.


Gilberto Seleme - 1º vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc)

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Matriz de Risco aponta três regiões em nível grave e 13 em situação gravíssima
Pandemia: Vacinação dos profissionais da Educação será priorizada em SC
Heróis de jaleco: Na Semana da Enfermagem, um parabéns especial
Covid-19: Pessoas de 40 anos acima com comorbidades poderão se vacinar em Caçador
Pela segunda semana consecutiva, apenas uma região do estado está em nível grave
Caçador: Nova etapa da vacinação terá cadastro e públicos específicos
Paulo Gustavo morre vítima da Covid-19 aos 42 anos
UNIARP: Acadêmica utiliza rede social para divulgar projeto Farmácia Verde
Vacinação para segunda dose: Nova etapa acontece nesta quinta-feira em Caçador