A gaita dos sonhos

Fabrício tem apenas 13 anos, mas já toca como gente grande. Há três meses ele acabou perdendo sua gaita e pede ajuda da comunidade para conseguir um novo instrumento



Tocar um instrumento musical requer talento, dedicação e gosto pela música. Esses elementos, associados ao estímulo familiar, destacam caçadorense Fabrício Carlos da Rocha Cassiano, de apenas 13 anos.

Apaixonado pela cultura gaúcha, ainda criança aprendeu os primeiros acordes em uma pequena gaita que ganhou de presente, mas foi aos 10 anos, após iniciar aulas com o professor de música, que o resultado começou a aparecer com maior ênfase.

As aulas duraram pouco mais de um ano, já que com o início da pandemia os encontros foram interrompidos, tendo que continuar aprendendo pela internet.



Como tinha o instrumento musical e noções das notas, com dedicação e empenho o conhecimento foi aumentando e sucessos como “No Fundo da Grota”, “Rosa Branca” e “Pataquero”, já eram tocados nos encontros tradicionalistas e almoços de família.

Fabrício destaca que a música gaúcha sempre fez parte de sua vida e tem em Baitaca, Mano Lima, Porca Véia e os Serranos os seus grandes ídolos no tradicionalismo. Para ele, este estilo musical o estimula a seguir um outro sonho quando ficar adulto: ser criador de gado.



No entanto, mesmo com a busca pela vida campeira, sabe da importância de estudar para ter um futuro promissor. Aluno do sétimo ano da escola Dante Mosconi, dedica-se aos estudos e pretende continuar a busca constante pelo conhecimento.

A perda da mãe

Mesmo menino, Fabrício já sente a amarga dor da perda. Em agosto deste ano, no dia dos pais, um acidente de trânsito na saída para Lebon Régis acabou vitimando sua mãe. Fabrício, o pai e os irmãos também estavam no veículo que acabou capotando próximo aos aliados e acabaram sofrendo escoriações.

Atualmente reside com o pai e os irmãos, além de passar alguns dias da semana com a avó, Lenir Cassiano Rossa, conhecida como Gringa, no bairro Rancho Fundo. Ela serve de estímulo para o menino continuar a vida após a tragédia, estimulando Fabrício a persistir nos seus sonhos e na música.

A compra de uma gaita

A gaita sempre foi uma companheira inseparável de Fabrício, mesmo após a perda da mãe. Até cerca de três meses atrás o menino tinha seu instrumento para continuar ensaiando e apresentando seu talento às demais pessoas. No entanto, um familiar acabou tirando o instrumento do menino e por motivos pessoais levou para outra cidade.



Sem a gaita, Fabrício não pode reiniciar suas aulas e muito menos praticar o conhecimento que adquire através de tutoriais na internet. Por isso, ele e a avó Gringa pedem a colaboração da comunidade para adquirir um novo instrumento para continuar tocando. “Pode ser uma gaita usada que esteja em bom estado, ou quem quiser pode nos ajudar a adquirir uma nova. Qualquer ajuda será bem-vinda”, destaca a avó.

Para aqueles que quiserem ajudar Fabrício a ter novamente seu instrumento musical, pode entrar em contato pelos telefones: 9.9903-7728 (Gringa) ou 9.9165-8939 (Fabrício).

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Macieira irá implantar Estação de Tratamento de Efluentes
Caçador recebe R$ 100 mil para ações voltadas à inovação local
UNIARP concede título Doutor Honoris Causa para André Motta
Associação dos Amigos dos Autistas tem nova diretoria
“Pai nosso onde está o céu?” é sucesso em seu lançamento
Um trimestre de tirar o fôlego para o projeto Músicos do Contestado
Inscrições abertas para a 7ª edição do Contestágil
Escritor caçadorense lança nova obra na Câmara de Vereadores
Câmara Regional de Educação discute escassez de trabalhadores
Aceias recebe Comenda Legislativa