Quando o assunto é a perda recente de um dente, a solução mais recomendada é o implante dentário. Responsável por corrigir o sorriso e devolver as funções básicas dos elementos, o procedimento é feito com raízes artificiais de metal instaladas dentro do osso, abaixo da gengiva através de um processo cirúrgico.
No entanto, assim como qualquer outro tratamento odontológico, o implante de dente também pode apresentar complicações no pós-operatório.

Para que serve o implante dentário?
Ao perder um dente ou mais, é comum que a principal recomendação dos profissionais seja a realização de um implante dentário. Isso porque o tratamento apresenta uma espécie de raiz artificial de metal que, quando instalada dentro do osso, age como suporte para uma futura restauração. Com isso, o implante de dente é capaz de promover uma melhora no desempenho estético e funcional de pacientes. Os implantes servem para reabilitação de áreas onde se encontram ausentes elementos dentários, seja por sua perda ou agenesia (ausência congênita do elemento dentário permanente).

Quem pode colocar implante dentário?
Embora o implante de dente seja a opção mais indicada para recuperar o sorriso, é importante ter em mente que alguns requisitos são necessários para realizar o procedimento. O paciente deve apresentar boas condições de saúde, praticar uma rotina de higiene bucal correta e possuir espessura e altura ósseas recomendadas para a colocação do pino. Outro fator que deve ser levado em consideração é a faixa etária do paciente, já que o ideal é que o implante dentário seja feito a partir dos 18 anos.
Além disso, existe um planejamento odontológico que deve ser seguido antes da realização do implante dentário. A pessoa precisa ter consciência de todas as etapas do tratamento, adotar certos cuidados com a higiene e ficar ciente de todos os possíveis riscos.

AS CONTRAINDICAÇÕES PARA O IMPLANTE DENTÁRIO
Assim como qualquer outro procedimento odontológico, o implante dentário também possui algumas restrições que devem ser consideradas. Ainda que ter uma boa saúde bucal seja um dos fatores no momento de colocar essa prótese, ele não é o único. Veja alguns dos problemas capazes de impedir a colocação de um implante de dente:
- Tratamentos de radioterapia e semelhantes;
- Falta de espessura óssea na região escolhida para o implante dentário;
- Ausência de tratamento de doenças cardíacas e diabetes;
- Hipertensão descompensada;
- Uso de medicamentos que afetam a cicatrização óssea.

Implante dentário: como é feito?
De maneira geral, o implante dentário pode ser feito de duas formas: durante uma única consulta, o que é conhecido como carga imediata, ou com um intervalo de até seis meses, que é a chamada carga tardia. Embora o implante de dente seja feito em momentos diferentes, o procedimento segue as mesmas etapas. Veja o passo a passo:
Passo 1: Antes de iniciar o implante de dente, é preciso que o paciente realize algumas avaliações e exames, como exames de sangue, radiografia, tomografia e moldagem ou escaneamento oral. Com eles, o profissional será capaz de planejar todas as etapas do procedimento reabilitador.
Apesar de nem sempre todos os exames serem solicitados, quanto maior o número de exames, melhor será a previsibilidade na hora da instalação do implante. Ou seja, menores são os riscos de complicações após o procedimento.
Passo 2: Depois de analisar os exames, o dentista poderá identificar o tamanho e espessura adequados do implante dentário, e a necessidade de enxertias ósseas.
Passo 3: Por último, o especialista utiliza brocas específicas para fresar uma cavidade no osso, onde o implante dentário será colocado e rosqueado. Com ele fixo no local, a prótese já está pronta para ser introduzida e garantir o novo sorriso do paciente, sendo de forma imediata ou tardia.

O paciente pode rejeitar o implante dentário?

Ainda que o índice de sucesso da implantodontia supere 98%, alguns pacientes podem, sim, apresentar rejeição ao implante. Os motivos podem ser, entre outros, por falta de estabilidade e aquecimento do tecido ósseo durante a instalação do implante. Ambos podem prejudicar a cicatrização e com isso levar à sua perda. Nesse caso, as complicações costumam surgir após a realização do implante dentário.

OS RISCOS APÓS A COLOCAÇÃO DO IMPLANTE DENTÁRIO

O implante dentário pode apresentar problemas e complicações logo após a cirurgia ou depois de algum tempo. No primeiro caso, as contaminações e infecções tendem ser as principais ameaças e, por isso, devem ser combatidas o quanto antes. Se as suturas abrirem dias depois da cirurgia, por exemplo, o especialista deve ser comunicado imediatamente, já que infiltrações bacterianas locais e infecções são riscos reais.
Quanto às complicações tardias, podemos citar a perda óssea, fratura de prótese e até mesmo perda do implante de dente. Nesses casos, a principal causa para esses quadros costuma ser a má higiene bucal, que pode desencadear infecções na gengiva e osso que podem prejudicar toda a durabilidade do tratamento. Para evitar esses incômodos, o paciente deve escovar os dentes após as refeições e usar o fio dental pelo menos uma vez ao dia, principalmente à noite antes de dormir.

3 cuidados necessários com o implante de dente
1- Manter uma boa rotina de higiene bucal, incluindo o uso de uma escova interdental ou fio dental para remover o acúmulo de sujeira no espacinho entre os dentes, garantindo uma limpeza mais eficaz;
2- Seguir as recomendações na dieta alimentar durante os primeiros dias após o implante de dente. Nas primeiras 48 horas, é importante que o paciente mantenha uma alimentação baseada alimentos frios, líquidos ou bem pastosos, como açaí, sorvete, vitaminas e sucos, para ajudar na cicatrização;
3- Não esquecer das visitas regulares ao dentista. Dessa forma, é possível realizar a manutenção do implante dentário, assim como a limpeza dos dentes no consultório - o que evita o surgimento de possíveis complicações e doenças bucais.

DEIXE SEU COMENTÁRIO