Pessoas são diferentes no pensar e no agir. Por vezes, isso tem sido a causa de muitas dificuldades nos relacionamentos. Nessa época de pandemia, a evidência tem se acentuado por causa do maior convívio, gerando desentendimentos e conflitos. A questão não é nova. Merecem reflexão as indagações do líder do século 18, João Wesley, que perguntava: “Embora não possamos pensar do mesmo modo, não podemos amar de maneira igual? Não podemos ter um só coração, ainda que não tenhamos uma só opinião? ”.


Atentemos para a sábia orientação do apóstolo Paulo:“Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.Pois pela graça que me foi dada digo a todos vocês: ninguém tenha de si mesmo um conceito mais elevado do que deve ter; mas, pelo contrário, tenha um conceito equilibrado, de acordo com a medida da fé que Deus lhe concedeu” (Romanos 12.2-3).

Por sua vez, Jesus – ao perceber a preocupação dos discípulos sobre quem seria mais importante - orienta: "Se alguém quiser ser o primeiro, será o último, e servo de todos" (Marcos 9.35). O texto diz que Jesus se assentou, como professor que ensina, ficando ao mesmo nível deles. A orientação é que exerçam a posição de quem serve. O espírito de serviço é a grande solução para acertos nos relacionamentos. A sabedoria ensina que ‘discípulos devem seguir o conselho do mestre’.

Precisamos aprender a conviver com nossas diferenças em todas áreas da vida (família, escola, trabalho e sociedade). Portanto, conviver com asdiferençase os diferentes é fundamental. Também devemos saber que as diferenças movimentam o mundo e o seu progresso. Aprender a conviver é um princípio proposto e defendido pela Unesco: “Esse Pilar da Educação tem o intuito de estabelecer entre todos que existe o pensar diferente e que ainda temos muito o que avançar em relação à percepção e a respeito dos interesses da coletividade”, defende.

A sabedoria apostólica enfatiza: “Irmãos, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo suplico a todos vocês que concordem uns com os outros no que falam, para que não haja divisões entre vocês, e, sim, que todos estejam unidos num só pensamento e num só parecer” (1 Coríntios 1.10). Sem dúvidas, isso exige espírito de renúncia, respeito e amor ao semelhante.

Recomendo esta oração do salmista: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece as minhas inquietações.Vê se em minha conduta algo que te ofende, e dirige-me pelo caminho eterno” (Salmo 139.23-24). Que Deus continue nos abençoando na caminhada, como promotores da paz, da saúde e da alegria, nossa e do próximo.

Elias Colpini – pastorelias@conection.com.br

DEIXE SEU COMENTÁRIO