Um amor conquistado pela tradição

Angélica Alves e Adroaldo Ribeiro se conheceram por meio da música gaúcha, e estão nesta dança há 4 anos

Um amor conquistado pela tradição gaúcha.  Angélica Alves e Adroaldo Ribeiro se conheceram por meio da música, e estão nesta dança há 4 anos. Ambos moram em Caçador e têm um amor pela tradicional música gaúcha. Os dois frequentam os bailes pilchados, sendo um traje típico da tradição. 

Adroaldo é gaiteiro de gaita ponto e Angélica é vocalista da banda responsável pelo início do namoro.   “Minha família sempre foi tradicionalista. Então montamos a banda “Angélica Alves e os Guris”. Estávamos precisando de um gaiteiro, então meu pai convidou o Adroaldo para os ensaios em casa. Assim ele se tornou membro da banda e da minha vida também”, destaca a vocalista, Angélica Alves.  

“Já gostamos um do outro no primeiro momento, depois que começamos a conversar, percebemos as afinidades, não tinha como errar. Fui criado na mesma tradição que ela, com isso, o assunto foi o que nunca faltou. Nos conhecemos em 15 de agosto de 2015, pedi ela em namoro pouco tempo depois e estamos juntos até hoje”, afirma o gaiteiro, Adroaldo. 

Além de vocalista, Angélica também toca violão, sendo ensinada a tocar pelo namorado.  “Nos entendemos pelo fato de sermos diferentes dos outros casais jovens, como por exemplo, nunca fomos no cinema, em compensação, adoramos os filmes do Mazzaropi e as piadas do Paulinho Mixaria.  Participamos em cursos de dança juntos, tocamos em bailes, matinês, festas de aniversário, encontros de amigos e família.  Acredito que se não tivéssemos essa paixão pela música não estaríamos juntos”,  enfatiza Angélica. 

A vocalista relata que a paixão pela música gaúcha surgiu em ver as pessoas dançando nos bailes. “A música me marcou quando um homem esteve na minha casa, escutou umas das minhas canções e chorou. Naquele tempo eu tocava sertanejo, mas quando comecei com o estilo gaúcho e observei o público dançando, foi mais forte, pois ninguém dança triste. Então é essa alegria que espalhamos por meio da música que nos alegra”, destaca.

“Admiro muito meu namorado, não só pela tradição e sim por ele ser dono de um conhecimento que não tem fim. Mais que meu namorado, ele é meu companheiro, meu amigo, conselheiro, um gaiteiro maravilhoso e o melhor dançarino de rancheira do mundo. Ele é bem mais do que tudo que um dia eu pude imaginar de bom para mim”, destaca Angélica. 

“É lindo a capacidade que a Angélica tem de não perder o ânimo em qualquer situação, ela sempre me faz tentar tudo mais uma vez. Algo que eu não conseguiria me motivar sozinho e é isso que me faz querer cuidar dela e sempre estar perto. Ela representa esperança para mim, sendo a esperança que eu nunca tive”, destaca Adroaldo. 

Para o casal, o "gauchismo" é bem mais que uma tradição, é um estilo de vida, que aproxima as pessoas. “No sul a cultura da roda de chimarrão é bem forte. Que coisa mais linda é ver as criancinhas imitando o jeito dos pais tomarem o mate. A música faz parte do meu ser. Proporcionou eu conhecer as pessoas, apreciar sorrisos e encontrar o amor da minha vida”, finaliza Angélica. 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Unidades Básicas de Saúde de Lebon Régis ganham obras de acessibilidade
A BPW de Caçador realiza a 3º Edição do Desfile de Moda
Confira onde votar para escolha dos novos conselheiros tutelares de Caçador
Operação Mata Atlântica em Pé deflagra terceira edição com participação de 17 estados
Caçador sedia etapa microrregional do Dança Catarina
Avaí Kindermann é eliminado nos pênaltis mas sai de cabeça erguida
Access Consciouness a favor da vida em Caçador
Atletas da UNIARP são homenageados
O mel de Santa Catarina é considerado o melhor do mundo
Acontece em Caçador o Cinema Solidário