Triste estatística: 2019 começou com mais de 20 casos de feminicídios

Com maior respaldo da Justiça e penalidades ainda mais severas, os casos de violência contra a mulher são notificados e enquadrados como feminicídio. As denúncias aumentaram em 30%, mas a quantidade de ocorrências é desesperadora

Criada em março de 2015, a Lei do Feminicídio - nº 13.104, tipifica os crimes de ódio contra a mulher; desta forma, o crime de homicídio simples (que prevê de seis a 20 anos de prisão) passa a ser considerado homicídio qualificado e entra para o rol dos crimes hediondos, com pena de 12 a 30 anos e é inafiançável. 
O Brasil tem acompanhado diversos casos de atentado a integridade e a vida da mulher; sempre causados por maridos/namorados ou ex-companheiros que não aceitam a separação. Em 2018, o Ligue 180 registrou 92.323 denúncias (em 2017 foram 73.699). Mas isso não quer dizer que os crimes diminuíram. Entre julho e dezembro de 2017 foram 24 assassinatos; o mesmo período em 2018 registrou 39. As tentativas de feminicídio saltaram de 2.749 para 4.180 (alta de 46%). 
Para a Dra. Christiane Faturi Angelo Afonso isso é reflexo de uma sociedade machista, na qual o homem acredita ter controle total sobre a mulher, e ainda, a enxerga como objeto de controle. “Ao sentir que perde as rédeas da relação, o sentimento de raiva e ódio acomete aquele que pratica o crime. Não existe o respeito e, tampouco, o afeto. É posse mesmo”, explicou a advogada. “Segundo o Ministério Público, no Brasil são registrados oito casos de feminicídio por dia. E ter um canal de denúncias é fundamental para que haja uma redução ou, quem sabe, extinga crimes deste tipo”, falou Dra. Christiane. 
Além do Ligue 180 – que funciona 24 horas por dia e recebe denúncias anônimas –, quem quer fazer denúncias também pode optar por qualquer delegacia. Com o B.O – Boletim de Ocorrência – em mãos, é possível entrar com uma medida protetiva sob a Lei Maria da Penha e, com isso, evitar um fim trágico. 
“Infelizmente, em muitos casos, a mulher é dependente do marido (seja financeiramente ou afetivamente) e, portanto, tem medo dos prejuízos ainda maiores que uma separação pode causar. Quando o caso é com casais já separados, isso pode envolver o excesso de agressividade do marido, que pode ameaçar não somente a vida dela, como das pessoas que ela ama. Então, por diversas vezes, a mulher não denuncia para um instituto de proteção e medo (mesmo que ela seja ou tenha sido violentada)”, explicou a advogada. 
Preservar vidas é responsabilidade de todos! É preciso alertar a população para que não seja omissa e peça ajuda quando vivenciar algum atentado de feminicídio. Denunciar pode salvar vidas. “É preciso ser humano e solidário, e não um mero expectador de uma situação de feminicídio. Só a denúncia poderá mudar essa triste realidade”, encerrou Dra. Christiane.
 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Criança caçadorense é diagnosticada com síndrome da pele escaldada e precisa de ajuda
Outono começa nesta quarta-feira – Por Leandro Puchalski
Lebon Régis é o município da AMARP que mais gerou empregos formais em janeiro, aponta CAGED
Abertas inscrições para o processo seletivo de cargos temporários em Rio das Antas
Mais de 130 alunos das escolas municipal participam de cursos profissionalizantes gratuitamente no SENAI
Prefeitura consegue credenciamento para fazer próteses dentárias
Atendimento a mulheres vítimas de violência será tema de webconferência
Prefeitura conclui pavimentação de mais 4 ruas no Alto Bonito
Concluída pavimentação de mais uma rua do antigo sistema Caução
Oficinas Socioeducativas geram oportunidades para os jovens que querem ingressar no mercado de trabalho