Quase 20 anos de Itália: Uma trajetória de sucesso

Jader Fornari fala da carreira de jogador de futsal na terra da bota, o desafio da pandemia,o retorno para solo italiano e a vontade de jogar em Caçador

Há pouco mais de três meses em Caçador ao lado dos familiares e amigos devido a pandemia do novo coronavírus, que cancelou os eventos esportivos em todo o mundo, o caçadorense Jader Fornari concedeu entrevista ao Jornal Extra, para falar destes quase 20 anos na Itália, onde fez sua carreira como atleta de futsal, passando por diversos clubes. Agora, ele se prepara para voltar, com o Campeonato Italiano marcado para ser retomado em outubro.

Em 2001 a vida do jovem caçadorense mudou. Saindo de Santa Catarina rumo ao Velho Continente para realizar um sonho, ser jogador de futsal e fazer carreira. As coisas deram certo e agora Jader prepara o retorno para sua vigésima temporada italiana, em um momento de muita cautela, a mesma que o fez vir para o Brasil na metade do mês de março com a esposa e os dois filhos.

Jader e o filho Eduardo em visita ao Jornal Extra


Como o mundo todo pode observar pelos noticiários, a Itália foi um dos países mais castigados com o novo coronavírus no início da pandemia, tendo um alto índice de mortalidade. O caçadorense conta que o epicentro italiano da doença ficava ao norte do país, e sua cidade, Eboli, onde defendeu o Feldi Eboli nas últimas três temporadas, fica ao Sul. 

“Fizemos a última partida pelo Campeonato Italiano dia 15 de fevereiro e então a competição foi interrompida. Nossa região ainda não tinha problemas com a pandemia, mesmo assim ficamos em isolamento em casa até dia 15 de março, quando então viemos para o Brasil. Chegando em Caçador, eu, minha esposa e nossos filhos, fizemos mais 14 dias de isolamento em nosso apartamento antes de ter contato com familiares e amigos. E ficamos aqui até agora. Mas chega a hora de voltar”.

Jader conta que um novo ciclo irá se iniciar agora em seu retorno para a Itália, com mudança de cidade e clube. O caçadorense vai defender as cores do Real Rieti, da cidade de Rieti. Os treinamentos estão confirmados para iniciarem em agosto e o Campeonato Italiano temporada 2020/2021 em 17 de outubro. 


“É uma mudança para todos, mas principalmente para as crianças, que fizeram muitas amizades em Eboli e irão agora iniciar esta nova trajetória em Rieti. Mas o futsal assim como futebol é feito dessas mudanças e nosso filho mais velho, Eduardo, que está com 11 anos, já entende que é assim. Nossa menina Sofia está com apenas 6 anos. Eu tinha e continuarei tendo muito respeito em Eboli, assim como tenho muito carinho pela diretoria do clube e pelos torcedores. Esta nova história agora no Real Rieti esperamos que seja boa para mim e minha família, e logicamente que estou com vontade de voltar as quadras. É isso que faço da vida, jogar futsal”.

No currículo de Jader Fornari aparecem camisas “pesadas” ao longo dessa história de sucesso em quase 20 anos de Itália, sendo Torino, Roma, Reggio Calabria, Bisceglie, Nápoli, Lazio, Pescara, Eboli e agora o Rieti. Em meio a este ciclo, um problema de saúde trouxe a família para a América do Sul anos atrás, para ficar mais perto dos familiares. Jader então jogou uma temporada no futsal argentino, defendendo a equipe Pinocho, de Bueno Aires. Com tudo resolvido na família, todos voltaram para a Itália.




O retorno em definitivo para Caçador
Aos 37 anos de idade, com apenas uma pequena lesão no joelho ao longo de todos estes anos, tendo sido artilheiro italiano em temporadas anteriores, com nome reconhecido no país europeu, Jader Fornari diz que ainda permanece na Itália por mais um tempo, jogando em alto nível, mas que não deixa de lado o sonho de defender Caçador no futsal. 

Durante o período em Caçador manteve o condicionamento físico com o professor Deyvison Pavelski na Academia das Bochas

“Aqui tudo começou e não esqueço minhas raízes, por isso estou aqui com frequência, vendo familiares e amigos. Agora é um momento diferente, temos pouco contato com as pessoas, mas quero agradecer a todos que torcem por mim nesta minha trajetória. Sobre o futsal em Caçador, gostaria de nos próximos anos defender o município na disputa de um Jasc por exemplo, e de campeonatos estaduais. Minha memória de quando joguei aqui é ginásio sempre cheio, e quero que isso aconteça de novo. Meu sonho é que o futsal caçadorense retorne e possamos ver novamente esta cena. Quero estar aqui para fazer parte disso se Deus permitir”, define o jogador.

Caçadorense com a família na Itália


Os filhos o acompanham nos jogos

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Zagueiro atua infectado e contamina jogadores e comissão técnica
Começa a Fórmula 1
Quase 20 anos de Itália: Uma trajetória de sucesso
Avaí pode abandonar o Campeonato Catarinense
Libertadores feminina transferida para 2021
Flamengo x Bangu reabrem o Carioca nesta quinta-feira
Campeonato Carioca está autorizado a retornar nesta quinta-feira
Ultimate acerta luta entre Junior Cigano e Jairzinho Rozenstruik
Treinador do Avaí Kindermann relembra ouro no Pan de 2007
Treinador do Avaí Kindermann relembra ouro no Pan de 2007