Especialistas temem colapso no sistema de saúde em Caçador

A consciência da população é a principal arma neste momento contra o Coronavírus; Pessoas não deve procurar a UPA com quadros ambulatoriais

O secretário municipal de Saúde de Caçador, Ademar Schmitz, acompanhando de dois médicos que atuam diretamente com casos de Covid-19 no município, Bruno Vitiritti e Eduardo Casagrande, concederam entrevista coletiva nesta terça-feira (24) para falar sobre a preocupação com um possível colapso do sistema de saúde em função da expressiva alta no número de novos infecções por coronavírus que já lotaram a UTI do Hospital Maicé.

Doutor Bruno iniciou falando que é o momento é preocupante tanto do ponto de vista clínico como na parte de gestão de leitos e atendimentos devido a grande quantidade de novos casos que, para ele, possuem fundamento no desrespeito as normas e regramentos de saúde implementados.
“Estamos tentando trabalhar com a conscientização das pessoas, mas as festas continuam, os bares e restaurantes lotados, as famílias promovendo encontros e isso aumentando os casos exponencialmente. Temos 42 óbitos já confirmados. Fora as pessoas que morreram, estão tendo pessoas que ficam com complicações pós Covid, e não é somente em hipertensos, obesos e diabéticos. Existem casos de pessoas jovens, saudáveis, que frequentam academia, e que estão tendo problemas mesmo depois de estarem curados, como fadiga crônica, dores no peito crônica, mialgia crônica, perda de paladar e olfato permanentes. E não sabemos até onde isso pode ir ou até quando eles sofrerão com isso. Por isso as pessoas devem ter consciência de que o melhor é se cuidar”, declara o médico.
Bruno ressalta que é preciso ficar atento as pessoas que dentro de casa descobrem um membro da família positivo para Covid, e todos então correm para fazer o exame. De acordo com o médico, é preciso entender que exame negativo não exclui o diagnóstico, portanto, antes de correr fazer um exame para detectar o coronavírus, é preciso telefonar para a Vigilância Epidemiológica, pois os profissionais estão capacitados para orientar as pessoas de como proceder e o período correto para a coleta, pois um exame feito no período errado pode dar negativo.
“As pessoas também podem telefonar para as unidades básicas de saúde para receber as orientações e tirar dúvidas. A consciência da população é que vai determinar se a gente vai conseguir vencer estes desafios. Alerto também para quem está fazendo exames particulares de Covid e quando testa positivo não sabem o que fazer. Essa pessoa deve entrar em contato com a Vigilância Epidemiológica ou unidade de saúde. O alô coronavírus também está ativo para receber perguntas. E pedimos a todas estas pessoas com sintomas, para que não fiquem circulando pela cidade, usem o telefone. Não temos mais leitos de UTI disponíveis em Caçador, assim como Joinville, Itajaí, Balneário Camboriú, Jaraguá do Sul, Joaçaba, e muitas cidades catarinenses. Então agora, se a pessoa precisar de leito de UTI não vai ter. Estamos correndo atrás do tempo, não conseguindo dar conta de atender todos, pois são muitos os exames positivos nestes últimos dias e muitas outras pessoas sendo monitoradas. A UPA está lotada, as Unidades de Saúde estão lotadas de pessoas com sintomas. E essa circulação desordenada das pessoas sem a consciência da gravidade da situação, acaba por espalhar ainda mais o vírus”.
Um dos médicos da UPA, Eduardo Casagrande, confirma que a consciência da população é a principal arma neste momento contra o Coronavírus, e que as pessoas não deve procurar a UPA com quadros ambulatoriais.
“A UPA não tem uma estrutura fisicamente adequada para uma pandemia, nenhum ambiente da saúde foi adequado para atender uma demanda de um vírus tão transmissível como o coronavírus. Tentamos separar os sintomáticos respiratórios, mas não temos como separar todo mundo. Então uma pessoa que procura a Upa com queixas ambulatoriais, pode ser contaminado lá, e isso poderia ser evitado se procurasse a sua unidade de saúde mais próxima, com horário marcado e risco muito menor de contaminação. Estamos ultrapassando os 200 atendimentos por dia na UPA e não conseguimos mais garantir o tempo de 1h30 de espera, as vezes demora mais, justamente pelo fluxo muito alto de pessoas. E quanto mais tempo a pessoas ficam esperando pelo atendimento, mais risco de contaminação terão. Então pedimos para que as pessoas com sintomas leves ou outras queixas ambulatoriais, que não procurem a Upa, mas sim uma unidade de saúde com agendamento”, esclarece o médico.
Eduardo lembra também, que é bom evitar levar acompanhantes, pois sãs vários os  casos de pessoas que chegam na consulta com 4 a 5 pessoas, e principalmente se forem do grupo de risco. “Tudo isso deve estar na consciência das pessoas, para não superlotar o sistema de saúde e principalmente não provocar um colapso do sistema, assim como está se desenhando o cenário da cidade e do estado”, define.

Secretário preocupa-se com alta taxa de transmissão
Perguntado se o momento em Caçador pode ser considerado uma segunda onda, o secretário de Saúde, Ademar Schmitz, disse que a situação não está bem definida, a exemplo do que está acontecendo em países da Europa.
“O que observamos é sim um aumento exagerado no número de casos em um curto espaço de tempo. É um momento com taxa de transmissibilidade muito alta. Muitas pessoas que estão contaminadas não estão em isolamento e isso aumenta exponencialmente a contaminação. Anteriormente tínhamos uma correlação entre o número de novos casos e o número de curados, porque os cuidados também eram maiores”, explica.
Sobre a abertura de um novo centro de triagem como já existiu no primeiro semestre, o secretário disse que um espaço na Unidade Central de Saúde está sendo adequado para receber pacientes com problemas respiratórios, e que deverá começar a funcionar neste período de férias coletivas, das 7h às 19h sem intervalos.

Crime
O médico Bruno Vitiritti também foi indagado sobre o crime que a pessoa contaminada possa estar cometendo caso não cumpra o isolamento.
“Todos que tem o diagnóstico da Covid-19 positivo e estiver circulando, já caracteriza crime. As que estão assintomáticas, sem diagnóstico, mas que assinaram o termo de consentimento sobre o seu isolamento, também poderão responder na lei se não cumprirem as recomendações. Isso foi um acordo junto a Promotoria Pública. Importante dizer que neste sentido estamos recebendo denúncias de pacientes positivados que estão furando o isolamento, inclusive para ir trabalhar. Se houver confirmação pelo Ministério Público de tal ato, a pessoa irá responder”.

Orientação

Doutor Bruno também falou sobre o cenário encontrado hoje em Caçador, sobre o dia a dia das pessoas, que parecem ter voltado a vida rotineira sem os devidos cuidados.
“Vemos as pessoas voltarem a fazer suas atividades recreativas com um sentimento de segurança muito grande, vemos as pessoas nos parques, as famílias no mercado, em um jantar, sempre usando máscara, mas só isso não resolve. Hoje a orientação maior é o distanciamento, pois a maioria das famílias possui uma pessoa com diabetes, pressão alta, entre outros problemas. Não precisa deixar de visitar seu familiar, mas é preciso tomar alguns cuidados, como visitar pela janela, conversar de longe, agradar de longe. Ainda é necessário proteger as pessoas que nós amamos, sejam familiares, amigos e todos que nos cercam”. 

Alô Coronavírus e Unidades Básicas de Saúde
Para evitar que as pessoas saiam de suas casas no momento em que sentirem algum sintoma que possa parecer a contaminação por Covid-19, segue o telefone do Alô Coronavírus de Caçador e das Unidades Básicas de Saúde, para que se faça um primeiro contato a fim de tirar dúvidas e procurar a melhor solução.

Alô Coronavírus Caçador – 9 9113 5384
UBS Berger – 3561 0948
UBS Bom Jesus – 3561 0945
UBS Bom Sucesso – 3561 0944
UBS Caic – 3561 0938
UBS Castelhano – 3561 0949
UBS Central – 3561 0927
UBS Jonas Ramos – 3561 0901
UBS Martello – 3561 0940
UBS Morada do Sol – 3561 0939
UBS Municípios – 3561 0935
UBS Nossa Senhora Salete – 3561 0942
UBS Rancho Fundo – 3561 0941
UBS Santa Catarina – 3561 0943
UBS – Taquara Verde – 3561 0947

2 COMENTÁRIO(S)

  1. Mas, não iam multar quem estivesse sem máscara? e muitos sabemos quem está positivo até mesmo os guardas e policiais, então pq nao começam a multar, estão esperando metade da cidade morrer pra tomar uma atitude? Agora já passou as eleições o vírus voltou, se era por medo de perder a reeleição agora o prefeito já pode fumar outras atitudes pq já ganhou. Estamos fazendo ao máximo ficar longe de outras pessoas, mas o descaso e a irresponsabilidade de vários, vai ainda levar caçador a um nível enorme de mortos. Se o povo não tem respeito pelo outro as autoridades que tomei peito da situação e imponha limites.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Distribuição das doses da vacina de Oxford começa na segunda-feira em Santa Catarina
Mulher que faz a limpeza no Maicé é vacinada contra a Covid: “Senti minha profissão valorizada”
Comissão vistoria aplicação correta da vacina contra a Covid-19, em Caçador
Veja as fotos do primeiro dia de vacinação contra a Covid-19 em Caçador
Maely Ribeiro é a 1ª enfermeira a receber a vacina contra coronavírus, em Caçador
Vilmar José Miranda foi o primeiro vacinado contra a Covid em Lebon Régis
UTI Covid do hospital Maicé sai da lotação máxima
Equipe da Saúde de Caçador recebe doses da vacina contra a Covid, em Videira
URGENTE: Caçador irá vacinar 490 pessoas com a Coronavac
Regional de Videira deve receber 2.080 vacinas da Covid-19