Agronomia: uma profissão que não pode ser substituída por máquinas

O grande desafio atual da profissão é produzir comida, para um mundo em crescimento populacional, com mínimo de impacto ambiental, mas que tenha atributos de segurança alimentar

O Engenheiro Agrônomo é o grande responsável pela gestão da produção de alimentos. Para ter alimentos em quantidade e qualidade, saudáveis, certificados, livre de resíduos de agrotóxicos, é essencial o papel do produtor rural bem orientado por Engenheiros Agrônomos. O grande desafio atual da profissão é produzir comida de qualidade para um mundo em grande crescimento populacional. E para isso a orientação do engenheiro agrônomo é essencial.
Quem fala mais sobre o assunto é o Engenheiro Agrônomo Dr. Leandro Hahn, coordenador do curso de Agronomia da Uniarp. Segundo ele, a aplicação de conhecimento é essencial para que sejam reduzidos os impactos ambientais e mantida a qualidade na produção de alimentos. “O grande desafio atual da profissão é produzir comida para um mundo em crescimento populacional, com mínimo de impacto ambiental, mas que tenha atributos de segurança alimentar. Isso somente será possível com aplicação de muito conhecimento. Neste sentido, o Agrônomo exerce sua função em todos os elos da cadeia de produção de alimentos, seja como assistente e responsável técnico, na área de comercialização, na área de fiscalização ou pesquisa agropecuária, seja como gestores em suas próprias propriedades agrícolas. A sucessão familiar com profissionais bem formados permitirá a continuidade de muitas propriedades agrícolas, com rentabilidade para o produtor e com produção de alimentos com qualidade e segurança alimentar”, destaca Leandro.
 

O mercado de trabalho
A profissão de Engenheiro Agrônomo é atualmente uma das mais valorizadas no mercado de trabalho. A razão principal é o papel destacado que a agricultura tem no cenário econômico e social do país. “Enquanto houverem pessoas para serem alimentadas, a Agronomia será sempre uma profissão de destaque”, destaca Leandro.
Estatísticas têm mostrado que a agricultura e a pecuária têm proporcionado um superávit na balança comercial do país. “Como o Brasil é atualmente um dos três principais produtores e exportadores de comida do mundo, e sua participação continua em crescimento, o Engenheiro Agrônomo continuará a ter um papel destacado na sociedade. Ainda que tenha muitas escolas de Agronomia no Brasil, não há profissionais desempregados e a média salarial é bastante alta”, explica.
 
 Com a tecnologia ocupando cada vez mais espaço e a automatização dos processos de produção, o que tem preocupado muitos jovens é a substituição de determinadas profissões, por máquinas. Mas para os futuros agrônomos, se descarta essa preocupação. “Em todos os cenários futuros possíveis, esta é uma profissão que sempre terá um papel destacado. É um profissional que não pode ser substituído por máquinas, computadores ou ter seu espaço ocupado por outros profissionais. Ao mesmo tempo, os profissionais cada vez mais devem levar em conta a automatização dos processos de produção, o uso da informática para controle dos fatores de produção, bem como a integração com outras áreas de conhecimento e profissionais para a solução dos problemas”.

 
“É preciso gostar de sujar a botina de barro”
Para quem pensa em ser Engenheiro Agrônomo, a dica é: gostar da natureza, de máquinas, de animais, de plantas, de sujar a botina no barro. “Agronomia não tem rotina! Se não gostar disso, não recomendamos fazer Agronomia. Diz-se que Agronomia não é uma profissão, mas uma paixão! Claro, após esta identificação, o profissional precisa ter um amplo conjunto de competências e habilidades para poder orientar, desenvolver e gerir todas as etapas da produção de alimentos”, destaca Leandro.
Se você se identificou com o parágrafo acima, então o próximo conselho é procurar uma boa instituição de ensino superior. “A Agronomia da Uniarp tem se qualificado para oferecer ao estudante uma formação integral, com ótimos professores, atividades e aulas práticas na área experimental, viagens de estudo, e intenso envolvimento com atividades de pesquisa e extensão”, afirma Leandro.
O curso ainda tem parceria com a Epagri, prefeituras e empresas e cooperativas do setor. Além disso, o curso de Agronomia da Uniarp recebeu nota 04 no Enade, prova que todos os Engenheiros Agrônomos do Brasil realizam ao concluírem o curso. “Considerando que as notas vão de 1 a 5, a nota obtida é considerada muito boa. Nesta prova, menos de 20% dos cursos obtiveram notas 4 ou 5, ou seja, o Curso de Agronomia da Uniarp está presente num grupo muito seleto de cursos de excelência do Brasil”.
Foi feita uma atualização da matriz curricular do curso de Agronomia da Uniarp, e com isso o valor da mensalidade também mudou. Para ingressantes neste ano o preço da mensalidade é de R$1.143,45 para quem cursar todas as disciplinas. Além disso, a Uniarp oferece 20% de desconto para transferência externa e 30% para quem já é portador de diploma de ensino superior.
 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caçadorense recebe carta de agradecimento da Rainha Elizabeth
SESI lança campanha para imunizar 300 mil trabalhadores contra a gripe
Postos de combustível de Caçador são fiscalizados em operação conjunta
Prefeitura vai instalar novas salas de aula para mais de 400 alunos
Curso de Pedagogia com inscrições abertas na UNIARP
Assistência Social, em parceria com o Cesmar, lança campanha “Defenda-se”
Hospital Maicé completa 40 anos
Bombeiros de Caçador comemoram 48 anos de trabalho voluntário
Vakinha Online busca recursos para o construção do novo Lar de Idosos em Caçador
LBV entrega 50 kits pedagógicos para crianças e adolescentes de Calmon